A Brincar é que se Aprende! – O Brincar como meio privilegiado de Estimulação do Desenvolvimento e da Aprendizagem das Crianças

Formador/a: A definir

Sob Consulta

A Brincar é que se Aprende! – O Brincar como meio privilegiado de Estimulação do Desenvolvimento e da Aprendizagem das Crianças

Pedir informações »

Pedir informações »

PED/BRINCAR

Description

Esta ação decorre da necessidade de sensibilizar educadores de infância, professores e pais/encarregados de educação para a importância de promover o brincar livre e autónomo enquanto um direito fundamental de todas as crianças (artigo 31º, CDC), sendo neste contexto que decorrerá uma ação pedagógica significativa. Durante a ação, cumprirá analisar a forma como o tempo livre e a brincadeira se estabelecem como contextos privilegiados de estimulação do desenvolvimento global da criança, compreendendo que tal se encontra ao alcance da prática de adultos atentos. Os adultos responsáveis pela criança estarão então capazes de tirar partido da motivação intrínseca da criança e das potencialidades da aprendizagem ativa para alcançar o desenvolvimento harmonioso das crianças (0-8 anos), bem como para promover o seu bem-estar e saúde global.

Objetivos Gerais
Sensibilizar educadores de infância, professores e pais/encarregados de educação para a importância de promover o brincar livre e autónomo, também enquanto um direito fundamental de todas as crianças (artigo 31º, CDC); Refletir sobre a importância uma ação pedagógica significativa que promove o brincar, a criatividade e a livre expressão da criança; Analisar a forma como o brincar se pode estabelecer como meio privilegiado de estimulação do desenvolvimento global da criança no jardim de infância; Compreender a importância do tempo, espaço e materiais lúdicos e, sobretudo, da postura de um adulto atento - como potencializadores da brincadeira e da aprendizagem da criança em idade pré-escolar.
Programa
1. Brincar (12 h)
Destinatários/as
Grupos 100, 110, 910, 920 e Encarregados de Educação, Técnicos de Intervenção Precoce (ELIS), Técnicos de Ação Social ou Assistentes Sociais na área da Infância (Escolas, Instituições, Associações e outras Organizações da Sociedade Civil dos Países da CPLP).
Pré-Requisitos
Este curso não apresenta pré-requisitos
Formador/a
A definir
Coordenador Pedagógico
Mariza Moreira
Metodologias de Formação
Todas as ações de formação abrangem métodos e técnicas de formação diversificadas, adequadas pelos formadores às características dos formandos, aos conteúdos a abordar e ao momento formativo. Recorremos sempre a metodologias adequadas aos adultos. Nesse sentido, a formação é desenvolvida com uma componente essencialmente prática, tendo em conta os interesses e as motivações do formando, de modo a permitir-lhe aperfeiçoar os seus saberes e capacidades, rentabilizando-as em todas as esferas da sua vida. Por estes motivos, privilegiamos a utilização de metodologias não-diretivas, nomeadamente, de métodos ativos, uma vez que estes facilitam a responsabilidade a autonomia do formando na construção dos saberes, envolvendo-o na pesquisa, análise, reflexão e resolução de situações-problema.
Métodos de Avaliação
Em termos de avaliação, enquanto componente do processo formativo, procura-se garantir um sistema formal e rigoroso de avaliação, beneficiando as seguintes metodologias: Avaliação diagnóstica; Avaliação contínua: Avaliação sumativa; Avaliação de desempenho dos formadores; Avaliação da formação – questionários de satisfação do formando e formadores.
Certificação
O Certificado Profissional da INCURSO é emitido no fim da formação através do Sistema de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa (SIGO), na área criada especificamente para o registo das ações de formação não inseridas no Catálogo Nacional de Qualificações, ao abrigo do n.º 6 do artigo 7.º do Decreto-Lei n.º 396/2007, de 31 de Dezembro e Portaria n.º 474/2010, de 8 de Julho, ficando associado ao Passaporte Qualifica - Registo Individual de Competências do formando.
- No final do curso os formandos que obtiverem registarem assiduidade mínima de 80% e aproveitamento têm direito a um Certificado de Formação Profissional conforme legislação em vigor.
- Os formandos sem assuidade mínima e/ ou aproveitamento recebem uma Declaração de Frequência de Formação Profissional, na qual onde constará carga horária e módulos da formação.
Mais informação