Segurança nos Trabalhos em Espaços Confinados

Formador/a: A definir

Sob Consulta

Segurança nos Trabalhos em Espaços Confinados

Pedir informações »

Pedir informações »

174/STEC

Description

Os espaços confinados são definidos como áreas que não possuem ventilação natural favorável, que não foram concebidos para acolherem trabalhos contínuos e com acesso limitado, que requeiram a utilização de escadotes, andaimes ou outros aparelhos. Estes espaços são propícios à acumulação de contaminantes tóxicos ou inflamáveis ou a apresentarem uma atmosfera deficiente em oxigénio, não possuindo condições para uma ocupação prolongada de trabalhadores. Os espaços confinados podem ser classificados de acordo com as suas características geométricas: •Espaços abertos – túneis, galerias subterrâneas, entre outros, •Espaços fechados – cisternas, silos, reatores, fornos, câmaras de visita, entre outros. Os riscos nestas áreas de trabalho são diversos, pois além do contacto com substâncias tóxicas, venenosas ou inflamáveis, pode ocorrer a escassez de oxigénio causada pela falta de ventilação e de espaço. A prevenção assente no treino e formação específica para trabalhos em espaços confinados é vital.

Objetivos Gerais
Conhecer e prever os perigos e riscos inerentes aos trabalhos em espaços confinados.
Programa
1. Segurança nos Trabalhos Confinados (4 h), 2. Segurança em Espaços Confinados (4 h)
Destinatários/as
O curso destina-se a Técnicos de manutenção ou profissionais que realizam tarefas técnicas no interior de espaços confinados, bem como pessoas responsáveis pelo respetivo planeamento e controlo dos trabalhos de segurança.
Pré-Requisitos
Este curso não apresenta pré-requisitos
Formador/a
A definir
Coordenador Pedagógico
Mariza Moreira
Metodologias de Formação
Todas as ações de formação abrangem métodos e técnicas de formação diversificadas, adequadas pelos formadores às características dos formandos, aos conteúdos a abordar e ao momento formativo. Recorremos sempre a metodologias adequadas aos adultos. Nesse sentido, a formação é desenvolvida com uma componente essencialmente prática, tendo em conta os interesses e as motivações do formando, de modo a permitir-lhe aperfeiçoar os seus saberes e capacidades, rentabilizando-as em todas as esferas da sua vida. Por estes motivos, privilegiamos a utilização de metodologias não-diretivas, nomeadamente, de métodos ativos, uma vez que estes facilitam a responsabilidade a autonomia do formando na construção dos saberes, envolvendo-o na pesquisa, análise, reflexão e resolução de situações-problema.
Métodos de Avaliação
A avaliação é um elemento essencial numa formação, constituindo-se como um espaço de reflexão crítica sobre todos os momentos e fatores que nela intervêm. Nesse sentido, consideramos fundamental avaliar não só o percurso formativo do formando, mas também a qualidade da ação de formação. A avaliação do percurso formativo do formando assenta numa permanente interação com os mecanismos de controlo dos resultados da aprendizagem ao longo do processo da formação. Tem como finalidade validar os conhecimentos, as capacidades e as aptidões adquiridas e/ou desenvolvidas pelo formando, nos diversos domínios do saber. No entanto, mais do que centrada nos produtos e na emissão de juízos de valor, esta avaliação preocupa-se também com os processos, assumindo uma função pedagógica que inclui dimensões pessoais, didáticas, curriculares, educativas e sociais. Porque é um exercício contínuo integrado no ciclo formativo, iniciado no diagnóstico de necessidades e deteção de lacunas que a Formação visa preencher, finalizado nos resultados alcançados e na definição de medidas corretivas ou reguladoras, ajustadas às necessidades identificadas nos formandos, compreende três momentos: avaliação inicial, formativa e sumativa. Em última instância, os resultados obtidos constituem também um dos elementos de validação do próprio processo formativo. A avaliação da ação de formação é o processo pelo qual se realiza uma monitorização sistemática de uma intervenção formativa, através do recurso a padrões de qualidade de referência, com o objetivo de produzir juízos de valor que sustentem a tomada de decisão futura relativamente à intervenção e aos seus resultados. Assumimos que uma intervenção foi eficaz se os formandos desenvolveram os saberes esperados, através de um processo de aprendizagem sustentado em métodos e técnicas ajustados, orientados por formadores experientes que ministraram um referencial adequado que, no momento e local certo, promoveu a transferência necessária e gerou os resultados desejados para a satisfação das necessidades dos indivíduos e da comunidade.
Certificação
O Certificado Profissional da INCURSO é emitido no fim da formação através do Sistema de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa (SIGO), na área criada especificamente para o registo das ações de formação não inseridas no Catálogo Nacional de Qualificações, ao abrigo do n.º 6 do artigo 7.º do Decreto-Lei n.º 396/2007, de 31 de Dezembro e Portaria n.º 474/2010, de 8 de Julho, ficando associado ao Passaporte Qualifica - Registo Individual de Competências do formando.
- No final do curso os formandos que obtiverem registarem assiduidade mínima de 80% e aproveitamento têm direito a um Certificado de Formação Profissional conforme legislação em vigor.
- Os formandos sem assuidade mínima e/ ou aproveitamento recebem uma Declaração de Frequência de Formação Profissional, na qual onde constará carga horária e módulos da formação.
Mais informação